Made. Existing. Done.

Percorri esse caminho durante quatro anos (2006-2009). Cem quilômetros diários e cerca de 90 caminhos alternativos para lugares que eu nunca visitei, entre Nova Serrana e Divinópolis-MG. Pensei essa série em 2012, preparei e executei em 2013. Escrevi muito sobre ela, elaborei um sem-fim de justificativas, statements e todas essas, na minha perspectiva, inutilidades que acompanham voltemeia projetos fotográficos. Essas imagens representam muito para mim, mas nenhuma dessas representações tem qualquer validade para quem as vê além de mim, e eu não quero interferir no fruir de ninguém.

Nunca havia publicado nenhuma delas, até hoje. Havia desistido do projeto, mas aí me lembrei de uma fala do Paul Graham que desde a primeira leitura define o que é fotografia, arte e a vida, enfim…

“And hopefully I will carry on, and develop it, because it is worthwhile. carry on because it matters when other things don’t seem to matter so much (…) Then one day it will be complete enough to believe it is finished. Made. Existing. Done. And in its own way: a contribution, and all that effort and frustration and time and money will fall away. It was worth it, because it is something real, that didn’t exist before you made it exist: a sentient work of art and power and sensitivity, that speaks of this world and your fellow human beings place within it. Isn’t that beautiful?”

Para ver as imagens em formato grande, clique na miniatura. Todas disponíveis para a venda, no formato 70×30 cm em papel algodão.